Ninguém vive só de Amor (?)

BRUEGHEL, Jan the Younger - venus ceres e bacchus

BRUEGHEL, Jan the Younger – Venus, Ceres e Bacchus

Ninguém vive só de amor, é o que nos diz a sabedoria popular sobre os relacionamentos amorosos. Mas se o próprio amor não nos basta, o que mais nos é necessário?

Não há uma resposta única, nem jamais haverá uma fórmula para relacionamentos felizes, mas o poeta Terêncio (195-159 a.C.) nos dá uma dica preciosa:

Verbum hercle hoc verum erit: Sine Cerere et Libero friget Venus

Este dito há de ser verdadeiro: sem Ceres e Liber, Vênus congela.

Ceres é a divindade que preside a agricultura. É a própria vegetação, principalmente os grãos que saciam a fome dos humanos. Etimologicamente, a palavra “Ceres” está intimamente ligada aos verbos latinos creo (criar) e cresco (crescer, vir a existir). Assim, podemos entender Ceres como a própria Existência ou Criação. Nos confirma essa afirmação um escólio de Virgílio Cererem a creando dictam, “É dito que Ceres vêm de ‘criar’.”

Liber é a divindade itálica que preside o cultivo e a produção dos vinhos e a fertilidade dos campos. Essencialmente, Liber é muito semelhante ao grego Dionísio. Um dos nomes celebrativos de Dionísio é Baco, e foi com esse nome que seu culto foi introduzido em Roma, tendo sido identificado com o antiquíssimo Liber.
Liber, Baco e Dionísio acabaram permanecendo na memória cultural coletiva muitas vezes apenas reduzido à embriaguez causada pelo excesso de consumo de alcool. Porém, a força e presença dessas divindades em nosso mundo vai muito além disso. A palavra Liber está intimamente ligada, em sua etimologia, à palavra ‘liberdade’. Dionísio é a divindade que inspira o furor nas mulheres e as fazem abandonar todas as convenções sociais impostas pelos homens na sociedade patriarcal. Quando tocadas por Dionísio, as mulheres abandonam seus papéis sociais de mães e esposas, por exemplo, e reúnem-se nas florestas para dançar em volta do fogo e se embriagar.

Sine Cerere et Libero friget Venus. Ou, como a máxima se perpetuou: Sine Cerere et Baccho friget Venus.

Sem Ceres (abundância, satisfação, atividade criativa, auto-existência)e sem Baco (liberdade, independência das expectativas sociais, fertilidade no sentido mais amplo), Vênus (o amor, a beleza, a alegria) morre fria e congelada.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s